Jucurutu/RN, 19 de fevereiro de 2019

Árbitro valida gol, volta atrás e anula primeiro do Galo, revoltando jogadores e torcida; Róger Guedes acaba marcando outro e definindo triunfo do time mineiro diante do Corinthians.

O lance mais polêmico da vitória do Atlético-MG sobre o Corinthians, por 1 a 0, como não poderia deixar de ser, foi comentado pelos jogadores do Galo no intervalo e logo após o jogo deste domingo, no Indepedência. Ao final do primeiro tempo, o experiente lateral Fábio Santos falou sobre o ocorrido.

Reprodução/Premiere)
– Na verdade, de onde estava eu não consegui ver se a bola pegou na mão do Ricardo (Oliveira). Foi uma disputa de bola, tudo muito rápido, mas, se o quarto árbitro acabou vendo, acabou voltando. Paciência! Hoje em dia tem sido cada vez mais natural isso. Aqui no Brasil nem precisa de árbitro de vídeo. Já rola tanta coisa que economiza no árbitro de vídeo, que sempre tem alguém que fala e vai acabar voltando – resignou-se o atleta do Galo.
+ Na súmula, juiz ignora gol anulado, mas cita protesto de diretor e copo no campo
Ainda em campo após o duelo, o volante Gustavo Blanco afirmou que o Atlético-MG mereceu vencer e também abordou o gol anulado no primeiro tempo.
– A gente praticamente jogou o jogo todo em cima deles. Infelizmente, teve aquele gol anulado, que eu não sei era para ser anulado. Acho que a gente merece, pois a gente trabalha muito e espero que seja o começo de uma sequência boa de vitórias. Uma vitória dessa, em cima do Corinthians, que é o time mais eficiente do Brasil, dá moral.
Entenda
Aos 37 minutos do primeiro tempo, após um escanteio para o Galo, a bola passou por Ricardo Oliveira, bateu na trave e sobrou para Róger Guedes, que encheu o pé e marcou o gol. O árbitro apontou o meio do campo, os jogadores do Atlético-MG comemoraram e a saída de bola quase foi dada. Porém, antes do reinício da partida, o auxiliar que fica atrás do gol chamou o juiz, que foi até ele e anulou o gol, sob alegação de que Ricardo Oliveira colocou a mão na bola antes de ela bater na trave e sobrar para Róger Guedes.

Veja o lance polêmico no Horto
Histórico
Dewson Fernando Freitas, árbitro do Pará, comandou o primeiro jogo da decisão do Mineiro deste ano, entre Atlético-MG e Cruzeiro, no Horto, vencido por 3 a 1 pelo Galo. Em 2017, também no jogo que abriu as finais do Estadual, ele atuou no empate por 0 a 0, no Mineirão.
Assim como neste domingo, o árbitro já foi alvo de críticas do Atlético-MG. Em 2015, após derrota para o Grêmio por 2 a 0, no Mineirão, pelo Brasileirão, a atuação do juiz foi bastante contestada por não marcar um pênalti em lance envolvendo os zagueiros Erazo (então no Grêmio) e Leonardo Silva. No ano passado, pela Copa do Brasil, Dewson Freitas apitou a vitória sobre o Botafogo, por 1 a 0, no Independência, mas voltou a irritar o comando do Atlético-MG, que chegou a pedir que ele fosse vetado para jogos do Alninegro.
 

Postado em Esportes por
Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *